5 maneiras de você prevenir o câncer de mama

correr

5 maneiras de você prevenir o câncer de mama 

A maioria das doenças pode ser prevenida e isso não é novidade. Em relação ao câncer de mama, essa premissa é verdadeira, afinal, apenas de 5 a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários, ou seja, a maior parte das mulheres pode tomar atitudes para diminuir o risco de vir a desenvolver um tumor nas mamas.

Veja agora cinco dicas para você reduzir a sua chance de ter um câncer de mama. Naturalmente, esses hábitos também vão ajudar na sua saúde como um todo.

 1-    Mantenha o peso ideal – principalmente depois da última menstruação

Estima-se que as mulheres obesas têm 20% de chances a mais de desenvolver o câncer de mama no período logo após a menopausa, quando comparadas com as que se encontram dentro da faixa normal de peso. Um estudo realizado com 350 mil mulheres, mostrou que a probabilidade de desenvolver o câncer de mama aumenta nas mulheres com o índice de massa corpórea (IMC) maior. Outro estudo, realizado na Dinamarca, considerado o maior do mundo, acompanhou 18.967 pacientes de câncer de mama e constatou que mulheres na menopausa, com IMC maior que 30, apresentaram tumores maiores, mais agressivos e com comprometimento mais extenso dos linfonodos da axila.

 2-    Reduza o consumo de álcool. Se possível, não beba

Não é novidade que uma dose de álcool por dia aumenta o risco de desenvolver câncer de mama em 5%. Para mulheres que bebem mais — três ou mais doses por dia — o risco de ter um tumor nas mamas aumenta em 50%. O álcool aumenta os níveis do estrogênio, principal hormônio envolvido na multiplicação das células tumorais nas mamas. Sendo assim, os pesquisadores consideram que consumir bebidas alcoólicas está diretamente ligado ao crescimento dos tumores conhecidos como “receptores positivos de estrogênio”, ou seja, aqueles que precisam do hormônio para crescer.

3-    Largue o cigarro agora!

Fumar mais de um maço de cigarros por dia durante 10 anos aumenta em 60% a chance de ter um câncer de mama após os 44 anos. Outro estudo em 2011, que envolveu várias universidades e centros de pesquisas norte-americanos, mostrou que mulheres fumantes na pós-menopausa têm um risco 16% maior quando comparadas com as não fumantes. Um estudo, que foi publicado no British Medical Journal, também mostrou que as mulheres que eram fumantes passivas, quando crianças ou adultas, também tinham mais risco de ter câncer. Além do câncer de mama, fumar aumenta consideravelmente o risco de desenvolver tumores no pulmão, boca, estômago, laringe e pâncreas.

 4-    Pratique atividade física

Um artigo publicado no American Association for Cancer Research revelou que a atividade física é uma importante ferramenta na prevenção do câncer de mama. O estudo foi realizado pela Universidade de Minessota, nos Estados Unidos, com 391 mulheres na pré-menopausa, que não tiveram câncer de mama, mas eram sedentárias. Os pesquisadores dividiram as voluntárias em 2 grupos: 179 continuaram a levar o mesmo estilo de vida, enquanto que 212 começaram a praticar 30 minutos de atividade aeróbica, 5 vezes por semana, durante 4 meses.  Além disso, os cientistas colheram amostras de urina para medir a atividade do estrogênio, principal hormônio envolvido no câncer de mama.

 O estudo demonstrou que o exercício aeróbico impacta diretamente na maneira como o corpo decompõe o estrogênio. Depois da metabolização do hormônio, podem ser formados compostos ativos ou inativos, chamados de metabólitos. A pesquisa demonstrou que a atividade física ajuda a inativar os metabólitos do estrogênio, que com isso não têm qualquer efeito no organismo.

 5-    Coma menos gorduras saturadas e trans

A ingestão excessiva de gorduras saturadas e trans pode causar diversos males à saúde, incluindo o aumento do risco de desenvolver câncer de mama. Segundo um recente estudo, uma alimentação rica em gordura saturada aumenta em 28% o risco da doença.

Outra pesquisa mostrou que altas quantidades da substância que resulta da destruição do colesterol pelo fígado, chamada de 27-Hydroxycholesterol (27HC), se liga aos receptores de estrógeno, que quando estimulados provocam um crescimento rápido das células tumorais, que eleva a chance de desenvolver um tumor de mama.