Estudo mostra que atividade física previne o câncer de mama

img20

Recente artigo publicado no American Association for Cancer Research revelou que a atividade física é uma importante ferramenta na prevenção do câncer de mama. O estudo foi realizado pela Universidade de Minessota, nos Estados Unidos, com 391 mulheres na pré-menopausa, que não tiveram câncer de mama, mas eram sedentárias.

Os pesquisadores dividiram as voluntárias em 2 grupos: 179 continuaram a levar o mesmo estilo de vida, enquanto que 212 começaram a praticar 30 minutos de atividade aeróbica, 5 vezes por semana, durante 4 meses.  Além disso, os cientistas colheram amostras de urina para medir a atividade do estrogênio, principal hormônio envolvido no câncer de mama.

Evidências do estudo

O estudo da Universidade de Minnesota demonstrou que o exercício aeróbico impacta diretamente na maneira como o corpo decompõe o estrogênio. Depois da metabolização do hormônio, podem ser formados compostos ativos ou inativos, chamados de metabólitos. A pesquisa demonstrou que a atividade física ajuda a inativar os metabólitos do estrogênio, que com isso não têm qualquer efeito no organismo.

As mulheres que se tornaram fisicamente ativas mostraram um aumento da proporção dos metabólitos inativos de estrogênio, sendo que o grupo das sedentárias não teve qualquer alteração. Outro estudo publicado no ano passado já tinha mostrado evidências que quando o exercício provoca a perda de peso e reduz a gordura corporal, diminui a quantidade de estrogênio produzida no tecido adiposo.

Os mistérios do estrogênio

O tecido adiposo, ou seja, a gordura corporal, não é um simples depósito de células capazes de guardar a gordura. Esse tecido é formado por células, que podem produzir hormônios e mediar reações químicas no organismo humano. Essa descoberta foi fundamental para relacionar uma das causas do câncer de mama.

Isso porque um dos principais hormônios produzidos pelo tecido gorduroso é o estrógeno, hormônio intimamente ligado a alguns tipos de câncer de mama. Durante a vida fértil, o hormônio tem sua produção equilibrada e é feita pelos ovários. Já na menopausa, há uma queda nos níveis do estrógeno, que param de ser produzidos nos órgãos sexuais femininos.

Porém, quando a mulher está acima do peso neste período, o tecido adiposo se encarrega de produzir o estrógeno, que em excesso, pode provocar a multiplicação celular do tecido mamário, causando o câncer. Estima-se que as mulheres obesas têm 20% de chances a mais de desenvolver o câncer de mama no período logo após a menopausa quando comparadas com as que se encontram dentro da faixa normal de peso.

Mexa-se

Portanto, a dica é praticar uma atividade física regularmente. Além disso, é vital adotar uma alimentação saudável e manter o peso ideal ainda na juventude, para evitar o acúmulo de gordura ao longo da vida. Muitos outros estudos estão em andamento para analisar mais profundamente a relação da atividade física e o câncer de mama, mas certamente essa pesquisa já revelou que mexer o corpo é fundamental para a saúde.