Impotente em prevenir o câncer? Na verdade, um pouco está em seu controle

pensativa

Os americanos parecem ter muito medo do câncer, com uma boa razão. Ao contrário de outras coisas que nos matam, essa doença muitas vezes parece sair do nada.

Mas a evidência de que o câncer também pode ser evitável está aumentando cada vez mais. Infelizmente, isso inflamou tanto quanto atenuou os medos das pessoas.

Como médico, encontrei muitas pessoas que acreditam que a doença cardíaca, que é a maior causa de morte entre os americanos, é amplamente controlável. Afinal, se as pessoas comessem melhor, fossem fisicamente ativas e parassem de fumar, então muitos deles iriam melhorar. Isso ignora o fato de que as pessoas não podem mudar muitos fatores de risco de doença cardíaca, como idade, raça e genética familiar.

As pessoas geralmente não parecem sentir a mesma coisa em relação ao câncer. Eles pensam que está fora de seu controle. Um estudo publicado na Science em janeiro de 2015 pareceu apoiar essa visão. Ele tentou explicar por que alguns tecidos levam ao câncer com mais frequência do que outros. Encontrou uma forte correlação entre o número de vezes que uma célula se divide ao longo da vida e o risco de desenvolver câncer.

Em outras palavras, este estudo argumentou que quanto mais vezes o DNA replica, mais frequentemente algo pode dar errado. Alguns entenderam que isso significa que o câncer acontece muito mais por causa da “má sorte” do que por outros fatores que as pessoas poderiam controlar.

Infelizmente, essa explicação simples não é realmente o que o estudo mostrou. As células do pulmão, por exemplo, se dividem bem raramente, e ainda representam uma quantidade significativa de câncer. As células do trato gastrointestinal dividem-se o tempo todo e representam muito menos tipos de câncer. Alguns tipos de câncer, como o melanoma, foram encontrados no grupo de câncer influenciado mais por fatores intrínsecos (ou aqueles que não podemos controlar), quando sabemos claramente que os fatores extrínsecos, como a exposição ao sol, são as principais causas.

Além disso, este estudo centrou-se mais nos riscos relativos do câncer em um tipo de tecido versus o outro. O que realmente nos interessa é o quanto podemos reduzir nosso próprio risco de câncer, alterando nosso comportamento.

Um estudo mais recente publicado na Nature argumenta que há muito o que podemos fazer. Muitos estudos demonstraram que fatores de risco e exposições ambientais contribuem muito para muitos tipos de câncer. A dieta está relacionada ao câncer colorretal. O álcool e o tabaco estão relacionados ao câncer de esôfago. O HPV está relacionado ao câncer cervical e a hepatite C está relacionada ao câncer de fígado.

E você teria que estar vivendo sob uma rocha para não saber que o tabagismo causa câncer de pulmão e que muito sol pode levar ao câncer de pele.

Usando técnicas de modelagem sofisticadas, os pesquisadores argumentaram que menos de 30% do risco de desenvolver muitos tipos comuns de câncer é devido a fatores de risco intrínsecos ou “má sorte”. O resto são coisas que você pode mudar.

Mais recentemente, em JAMA Oncology, os pesquisadores procuraram quantificar como um estilo de vida saudável poderia realmente alterar o risco de câncer. Eles identificaram quatro domínios que muitas vezes são observados como relacionados à prevenção de doenças: tabagismo, bebidas alcoólicas, obesidade e exercício físico.

Eles definiram as pessoas que se envolveram em níveis saudáveis ​​com todas essas atividades como um grupo de “baixo risco”. Em seguida, eles compararam o risco de câncer com pessoas que não estavam nesse grupo. Eles incluíram dois grupos de pessoas que foram seguidas e estudadas há muito tempo, o Estudo de Saúde das Enfermeiras e o Estudo de Acompanhamento de Profissionais de Saúde, bem como estatísticas nacionais de câncer.

Das quase 90.000 mulheres e mais de 46.000 homens, 16.531 mulheres e 11.731 homens caíram no grupo de baixo risco. Para cada tipo de câncer, os pesquisadores calcularam um risco atribuível à população, que é a porcentagem de pessoas que desenvolvam câncer que poderiam ter evitado caso adotassem comportamentos de baixo risco.

Cerca de 82% das mulheres e 78% dos homens que tiveram câncer de pulmão poderiam ter impedido isso através de comportamentos saudáveis. Cerca de 29% das mulheres e 20% dos homens poderiam ter prevenido câncer de cólon e retais. Cerca de 30% de ambos poderiam ter impedido o câncer de pâncreas. O câncer de mama foi muito menos evitável: 4%.

No entanto, cerca de 25% do câncer em mulheres e 33% em homens era potencialmente evitável. Cerca de metade das mortes por câncer também podem ser evitadas.

Nenhum estudo é perfeito, e isso não é exceção. Mas as verificações contra os dados nacionais mostraram que esses resultados podem estar subestimando a quantidade de câncer evitável por comportamentos saudáveis.

Isso também não é um ensaio controlado aleatório, e certamente podemos argumentar que não provou causalidade.

Uma maior preocupação para mim é que as pessoas podem interpretar essas descobertas como certo atribuir culpa às pessoas que sofrem de câncer. Você não quer entrar em situações em que você sente como se as pessoas não merecem ajuda porque não tentaram o suficiente se manterem saudáveis. Muito do câncer ainda está fora do controle das pessoas.

Eu estava especialmente preocupado porque, neste estudo, o status de “baixo risco” exigia os quatro estilos de vida saudáveis. Falhar em qualquer domínio o colocou na categoria de alto risco, e isso parecia pedir muito das pessoas.

Na leitura posterior, no entanto, descobri que os requisitos não eram excessivamente onerosos. Não fumar foi definido como nunca ter fumado ou ter parado pelo menos cinco anos atrás. Isso é claramente bom para a saúde. O consumo moderado de álcool foi definido como não mais do que uma bebida por dia em média para as mulheres e não mais de dois para os homens. Isso é muito o que defendi por escrito sobre esse assunto no passado: de modo algum exige abstinência.

O peso adequado foi definido como IMC de pelo menos 18,5 e não mais do que 27,5. O ponto de corte para “excesso de peso” é 25, o que significa que você não precisa ser magro; você só tem que ser menos do que obeso (BIMC 30). Finalmente, o exercício foi definido como 150 minutos por semana de atividade de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade de intensidade vigorosa. Esse é um objetivo razoável e bastante realizável.

Fiquei surpreso ao perceber que já estou “de baixo risco”. Aposto que muitas pessoas lendo isso também são “de baixo risco”.

À medida que falamos sobre “moonshots” de câncer que provavelmente custarão bilhões de dólares e talvez não consigam resultados, vale a pena considerar que – como em muitos casos – a prevenção não é apenas o curso mais barato, mas também o mais eficaz.

Mudanças simples nos comportamentos das pessoas têm o potencial de garantir que muitos tipos de câncer nunca ocorram. Elas também têm um benefício secundário de prevenir problemas de saúde em muitas outras áreas. O investimento nesses esforços pode não ser tão emocionante, mas pode gerar maiores resultados.

Fonte: New York Times