Intervalo na terapia com letrozol após câncer de mama pode ser benéfico

remedios

Mulheres com câncer de mama sensíveis a hormônios enfrentam anos de terapia adjuvante com drogas antiestrogênicas. Dados mais recentes sugerem que esses medicamentos devem ser tomados por 10 anos em vez dos cinco recomendados anteriormente.

Dessa forma, uma década tomando terapia antiestrogênica pode ser muito tempo. Assim, um novo estudo sugere que é seguro dar um intervalo temporário das drogas e uma novidade bem-vinda para quem enfrenta o câncer de mama.

Os resultados provêm do estudo da extensão de letrozol (SOLE) e mostram que, após quatro a seis anos de terapia endócrina inicial, os benefícios clínicos da administração intermitente ou contínua de letrozol foram semelhantes.

Mulheres que participaram do grupo de dosagem intermitente fizeram um intervalo de três meses da terapia durante quatro anos (nos anos 6-9 da década), após completar cinco anos de terapia contínua (ano 1-5) e terminar com um ano de terapia contínua (ano 10).

O estudo foi publicado na Lancet Oncology. Os investigadores, liderados por Marco Colleoni, MD, do International Breast Cancer Study Group, em Milão, na Itália, concluem que o estudo resultante em administração intermitente de letrozol fornece informações clinicamente relevantes sobre terapia endócrina adjuvante extensa com letrozol e apoiam a segurança dessa opção para interrupções temporárias do tratamento em pacientes selecionados.

SOLE pode ser considerado um “estudo planejado de não-adesão”, dizem V Craig Jordan, OBE, PhD, DSc e Balkees Abderrahman MD, do departamento de oncologia do câncer de mama do Centro de câncer de mama MD do University of Texas, em Houston.

As pausas em SOLE (intervalos de uso das drogas) são uma vantagem para os pacientes porque eles ganham melhorias em sua qualidade de vida, segundo os dois estudiosos publicaram no JAMA Oncology.

De acordo com os pesquisadores, as mulheres que recebem terapia de letrozol intermitente podem ser vistas como não compatíveis com o tratamento. A não adesão à terapia endócrina tem sido um desafio no manejo clínico desses pacientes, segundo o Dr. Jordan.

Os resultados do estudo sugerem que as mulheres que não são compatíveis com o tratamento antiestrogênico prolongado devem ser estimuladas a retomar a terapia, pois elas ainda podem ganhar com o tratamento, mesmo após o intervalo do uso da droga.

Resultados únicos
SOLE foi um estudo multicêntrico realizado em 4.884 mulheres na pós-menopausa com câncer de mama precoce positivo e com receptores hormonais que permaneceram sem taxa de transição após 4-6 anos de terapia antiestrogênico adjuvante.