O que você precisa saber sobre a ressonância magnética das mamas

rm_silvio

A detecção precoce do câncer de mama tem sido possível graças aos métodos diagnósticos cada vez mais modernos e eficazes. Além da mamografia com a associação da tomossíntese e da ultrassonografia, outro exame confiável é o de ressonância magnética (RM).

 

Ele é indicado principalmente para as mulheres que têm alto risco de desenvolver câncer de mama, como método de rastreamento, e para pacientes submetidas à biópsia que tenham tido confirmado o diagnóstico da doença, pois nesses casos a ressonância fornece informações complementares sobre a área afetada.

 

Uma das principais vantagens da RM é sua alta sensibilidade, que chega a ser superior a 95%, o que possibilita a detecção de lesões muitas vezes imperceptíveis em outros exames.
Quando é indicada a RM de mama?
A ressonância magnética é indicada para determinar o estágio do câncer, pois ela mede o tamanho e a extensão dos tecidos cancerosos depois que a doença é diagnosticada. Como o exame não usa radiação, ele também é indicado para fazer o rastremento de câncer em mulheres que não devem ser expostas a ela.
Geralmente, a RM é indicada para:

– Avaliar um tecido suspeito ou tumores que tenham surgido depois do diagnóstico de câncer de mama.

– Avaliar os tecidos mamários em mulheres com menos de 25 anos, ou com mamas densas, ou seja, mamas com grande quantidade de tecido glandular e pouco tecido adiposo. Nesses casos, a mamografia tem sensibilidade reduzida.
– Confirmar os resultados de outros exames de imagem.

– Avaliar tecidos mamários em mulheres grávidas ou que estejam amamentando.
– Monitorar a eficácia da quimioterapia.

– Monitorar os tecidos ao redor da área onde tumores ou tecidos cancerosos foram removidos por cirurgia ou quimioterapia.

– Monitorar o processo de cicatrização em mulheres que passaram por cirurgia reconstrutiva da mama.

– Avaliar próteses de silicone.

 

A ressonância magnética não costuma fazer parte dos exames de rotina para rastreamento de câncer de mama para a maioria das mulheres. Para as pacientes com alto risco de câncer de mama, o teste pode ser usado em combinação com a mamografia, como uma ferramenta de triagem precoce.

Como o exame é realizado

 

A RM das mamas pode ser relizada em uma clínica especializada, em um laboratório ou no hospital. O equipamento se assemelha a um tubo e é necessário que o seu corpo todo seja colocado dentro dele. Algumas pessoas  com claustrofobia ou que têm medo de espaços fechados podem sentir certo desconforto ou até evitarem fazer o exame. Nesses casos, o médico pode receitar um sedativo para ajudar a relaxar. Um enfermeiro ou técnico acompanha todo o exame de uma sala anexa.

 

Para realizar o procedimento, você deve se deitar de bruços e encaixar as mamas em dois orifícios localizados na maca. Um técnico ou enfermeiro ajudará a orientar o corpo e os seios na posição correta, muitas vezes usando um travesseiro ou suporte para apoio.

 

Uma vez que o seu corpo esteja corretamente posicionado, tem início o exame, que dura em média de 30 minutos a uma hora. Nesse tempo, você deve ficar totalmente imóvel. Caso seja necessário mexer alguma parte do corpo, avise o técnico para que ele interrompa o procedimento, assim não será necessário refazer todo o exame.

Os resultados são enviados em forma de relatório ao seu médico. Geralmente, os tecidos cancerosos tendem a aparecer como áreas anormalmente brancas com fundo escuro ou preto.

 

Uma dica: de preferência, tente fazer o exame entre o sétimo e o décimo dias do ciclo menstrual, período em que as mamas estão menos inchadas e doloridas.

 

Preparo

O exame exige o uso do contraste intravenoso, injetado em uma veia do braço pouco antes do procedimento, por isso, é preciso estar em jejum cerca de três horas antes de realizá-lo. O contraste só não é exigido quando a ressonância é indicada para avaliação de próteses de silicone ou por determinação médica.

 

Objetos metálicos, como aneis, brincos, relógios, piercings, devem ser retirados, pois eles interferem no funcionamento do aparelho e podem prejudicar a qualidade da imagem, além de poderem machucar você.
A máquina de ressonância magnética é bastante barulhenta. A maioria das pessoas diz que os ruídos de giro, de clique e de barulho se assemelham a uma máquina de lavar. Se isso incomodá-la, leve tampões para os ouvidos.
Riscos

O risco mais comum do exame é gerar um resultado falso positivo, identificando os tecidos normais como preocupantes ou suspeitos. Isso pode causar uma ansiedade desnecessária ou até levar o médico a solicitar uma biópsia da mama, um exame invasivo que aumenta o risco de danos nos tecidos, nervou ou vasos sanguíneos. Por isso, não se assuste caso isso aconteça.