Pesquisadores descobrem ligação entre câncer de mama e próstata

img15

Pesquisadores descobrem ligação entre câncer de mama e próstata

 Não é novidade que o histórico familiar de câncer de mama é um fator de risco importante para desenvolver a doença, principalmente em mulheres que possuem mãe, irmãs, tias e avós que tiveram a doença, ou seja, parentes de primeiro grau.

Mas, acaba de ser publicado um estudo no periódico Cancer que encontrou uma estreita relação entre o câncer de mama e o de próstata, mostrando que mulheres com parentes do sexo masculino que tiveram câncer de próstata têm um risco aumentado para desenvolver o de mama, assim como homens que têm parentes do sexo feminino que tiveram câncer de mama apresentam risco aumentado para desenvolver câncer de próstata.

De acordo com o estudo, o histórico de câncer de próstata aumenta em 14% o risco de desenvolver câncer de mama e em mulheres que possuem parentes de primeiro grau que apresentaram tanto o câncer de mama, quanto o de próstata, o risco aumenta em 78%. Outra descoberta é que o risco é maior ainda em mulheres afrodescendentes quando comparadas a mulheres brancas.

Os pesquisadores observaram ainda um número considerável de mulheres jovens diagnosticadas com câncer de mama que possuem o histórico familiar da doença. Com isso, o histórico familiar destes dois tipos de câncer deve ser levado em consideração para o acompanhamento clínico de pacientes mais jovens.

Um dos pontos mais interessantes da pesquisa é que o oposto também se aplica: homens que têm parentes de primeiro grau com câncer de mama também apresentam maior risco de ter o câncer de próstata, principalmente quando a doença se apresenta de forma precoce. Há evidências de que alguns casos de câncer de próstata encontrados em famílias com histórico de câncer de mama e ovário estejam ligados aos genes BRCA 1 e 2. Outras pesquisas devem ser feitas para procurar mais evidências de mutações.

 

Embora o câncer de mama hereditário corresponda a cerca de 5 a 10% dos casos da doença, estudos como esse mostram a importância da genética quando o assunto é câncer, além de reforçarem a necessidade do acompanhamento clínico de mulheres de forma precoce. É importante dizer que se você possui familiares de primeiro grau com câncer de mama, os exames preventivos devem ser feitos regularmente a partir dos 25 anos de idade, ou antes, se o médico considerar relevante.