Tratamento hormonal pode preservar a fertilidade em mulheres com câncer de mama

img57

Tratamento hormonal pode preservar a fertilidade em mulheres com câncer de mama

Um estudo publicado recentemente no The New England Journal of Medicine (NEJM) mostrou que mulheres com câncer de mama que tomaram o medicamento acetato de gosserrelina durante a quimioterapia foram menos propensas a entrar na menopausa precoce e apresentaram mais chances de engravidar quando comparadas a mulheres que não fizeram uso desse fármaco e foram tratadas apenas com quimioterapia.   

Quando o câncer de mama atinge mulheres jovens, em idade fértil, a possibilidade de não poder engravidar gera um grande impacto psicológico. A quimioterapia é necessária para evitar as recidivas do tumor, entretanto a falência dos ovários é um efeito colateral esperado, que pode causar tanto a infertilidade, quanto induzir a menopausa de forma precoce. O acetato de gosserrelina bloqueia o ciclo normal dos ovários, tornando-os menos vulneráveis aos danos da quimioterapia.

O estudo foi realizado com 218 mulheres na pré-menopausa, entre 18 e 49 anos, diagnosticadas com câncer de mama receptor negativo hormonal e que fizeram quimioterapia após a cirurgia para retirada do tumor. Metade das mulheres recebeu quimioterapia em conjunto com o acetato de gosserrelina e a outra metade recebeu apenas quimioterapia. Após dois anos, apenas 8% das mulheres do grupo que recebeu a quimioterapia em conjunto com a gosserrelina apresentou falência ovariana, enquanto no grupo da quimioterapia o número foi de 22%.

Cerca de 21% das mulheres do grupo que recebeu a gosserrelina tiveram pelo menos uma gravidez enquanto que apenas 11% das mulheres do grupo da quimioterapia engravidaram. No grupo do medicamento nasceram 18 bebês e no grupo da quimioterapia nasceram 12.

A perspectiva do estudo é muito positiva para as mulheres que desejam engravidar depois de um tratamento contra o câncer de mama. Porém, é imprescindível conversar com seu mastologista para avaliar os riscos e benefícios de uma gravidez pós câncer de mama, além de avaliar algumas possibilidades, como por exemplo, o congelamento dos óvulos.